Finanças domésticas

Nilson Domingos – Gerente Financeiro

Grande parte da população brasileira tem problemas financeiros, pois o que ganha normalmente não é suficiente para pagar tudo o que deve.

Conversamos com o Nilson Domingos, Gerente Financeiro da Coferly, sobre finanças domésticas – um tema bastante interessante. Ele preparou dicas importantíssimas para nós. Confira no texto abaixo.

Existem diversas maneiras de controlar seus gastos, cada pessoa tem uma forma de tratar esse tema.

“Tudo que a gente sabe que vai gastar com antecedência acaba facilitando bastante no dia a dia”, afirma Nilson.

Se você sabe que existem despesas fixas, aquelas que costumam acontecer mensalmente ou em um determinado período do ano, como por exemplo o IPVA, IPTU, contas de luz e água, deve se organizar para não ficar surpreso quando elas chegarem. Coloque seus gastos em uma tabela do Excel ou no papel, projete-os para o ano todo e guarde uma quantia para quitar tudo aquilo que já previsto.

O primeiro passo é estabelecer e entender o quanto você recebe de receita. Sua receita é todo o dinheiro que entra mensalmente: salário, mesada, entre outras rendas complementares.

O segundo passo é anotar tudo que você gasta – que são as suas despesas. Essa parte é a mais difícil e acaba saindo do controle.

“As pessoas tem a dificuldade de colocar no papel os seus gastos, muitas vezes porque elas não entendem o seu estilo de vida atual, como estão suas finanças no momento e quais são os seus planos para o futuro”, conclui Nilson.

Para conseguir fazer um controle financeiro, é preciso entender sua situação, imaginar onde você está hoje e onde quer chegar. Se sua ideia é comprar uma casa ou carro, isso deve entrar no seu planejamento.

Confira como começar a organizar suas finanças:

Faça uma autorreflexão, detecte qual é o seu estilo de vida atual e quais são os seus maiores gastos. Separe linha por linha o que gasta no aluguel, condomínio, energia elétrica, água, educação, lazer etc.

Muito provavelmente você deve ter uma linha que vai se chamar OUTROS. Você vai perceber que grande parte do seu orçamento é gasto ali. Temos que tomar cuidado, pois essa pode ser a principal fonte dos seus gastos, e existe uma chance alta de serem gastos supérfluos e é com estes que você precisa ficar mais atento.

Outro ponto importante, é o uso do Cartão de Crédito como uma ferramenta. Quando você vai negociar uma compra, normalmente te dão a opção de adquirir o produto ou serviço com desconto. Neste caso, o pagamento à vista pode ser uma boa alternativa. Porém, se não tiver nenhum desconto, o mais indicado seria parcelar a compra. Para usar esse raciocínio ao seu favor, é importante não perder o controle do cartão de crédito, já que ele é uma ferramenta de financiamento a médio prazo.

Se você está em um momento financeiro com dívidas, o ideal é buscar alternativas. Caso tenha uma dívida com taxas altas, por exemplo, juros que cobram 5% ao mês, você pode procurar outros bancos que proporcionem uma taxa menor do que a paga atualmente. Divida essa pendência em parcelas que não pesarão no seu orçamento e evite deixar de pagá-la novamente, assim não entrará em um novo acordo com mais juros.

Outro exemplo é para quem tem uma situação financeira mais controlada. Nesse caso faça um balanceamento do que você tem de entrada (receita) no mês versus o que tem que saída (despesa). Com isso, você começa a ter um controle aproximado do seu gasto mensal.

Tendo um autocontrole, não necessariamente terá que parar de fazer o que gosta. Pelo contrário, conseguirá fazer tudo em diferentes prazos. Isso vale para qualquer salário, tanto os mais baixos quanto os mais altos.

O planejamento doméstico e financeiro é uma pauta muito importante que precisamos dar bastante atenção. Se você quer saber mais sobre o assunto e como aplicar na sua vida, participe das aulas gratuitas de Educação Financeira aqui na Coferly com o Nilson Domingos, nosso Gerente Financeiro. Em breve abriremos as inscrições – fique ligado nos nossos murais!